PESQUISE NA WEB

Mostrando postagens com marcador Escócia. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Escócia. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Foca pega carona em caiaque durante passeio na Escócia


Um homem e uma mulher navegavam em seus caiaques no estuário do rio Forth, na Escócia, quando tiveram uma surpresa. (Assista ao vídeo) Uma foca não só apareceu no meio do caminho, como resolveu pegar uma carona com eles. O animal se aproximou e, para diversão da dupla, subiu em um dos caiaques - e ficou por lá. A foca passou um tempo descansando enquanto eles navegavam - só voltou para a água depois de 1,5 km. "Foi uma experiência incrível", eles disseram.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Pinguim ganha título de brigadeiro em zoológico na Escócia



O piguim-real Nils Olav, mascote oficial da guarda real da Noruega, recebeu o título honorífico de "brigadeiro" nesta segunda-feira (22) no zoológico de Edimburgo, na Escócia, onde mora. Anteriormente, Nils Olav havia sido "alçado" a cavaleiro, portanto seu título agora é "Brigadeiro Sir Nils Olav". A tradição remonta a 1972, quando o chefe da guarda real da Noruega, durante visita à Escócia, pediu para adotar um pinguim. O primeiro Olav acabou virando o mascote oficial das tropas. Mais tarde, elefoi substituído por outros pinguins com o mesmo nome, gerando uma "dinastia" informal.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Réptil marinho que viveu há 170 milhões de anos é descrito na Escócia


Cientistas anunciaram nesta segunda-feira (12) a descoberta de uma nova espécie de réptil marinho que viveu há 170 milhões de anos e foi identificado a partir de fósseis encontrados na Ilha de Skye, na Escócia. O animal media cerca de 4,2 metros de comprimento, caçava peixes, lulas e outros répteis em mares quentes pouco profundos ao redor da Escócia, durante o período Jurássico. A descrição foi possível a partir da análise de vários fragmentos fósseis desenterrados há 50 anos. Eram materiais que integravam o crânio, dentes, vértebras e um osso do braço. Batizado de Dearcmhara shawcrossi, o animal integra o grupo dos ictiossauros, classificação dada aos répteis marinhos que desapareceram pouco antes da extinção dos dinossauros. A essa ordem pertenciam animais de proporções imensas, muito maiores que as baleias, e que viveram na Terra por cerca de 150 milhões de anos, até sumirem, há 95 milhões de anos. O trabalho foi realizado por um consórcio que envolve a Universidade de Edimburgo e museus nacionais da Escócia, como o Hunteria, em Glasgow, Staffin, em Skye, e o da Herança Nacional escocesa.